Graça

Pergunta: Que você entende pela palavra “graça”?

Resposta: A graça para o Cristianismo, é o Espírito Santo que chega, não o procuramos; se o procuramos, ele não chega. Se você espera que ele chegue, quer dizer que você não está completamente pronto a recebê-lo. Se esperamos, não chega. Na história do zen, não se deve buscar nada.

A grande questão não é somente uma coisa intelectual a ser resolvida pelo cérebro. Isso se torna uma bola de sombrias dúvidas que penetra não somente o inconsciente, mas também o consciente, não somente durante o zazen mas também durante o dia, e durante dias. E a pessoa mesma não se dá conta completamente deste estado. Às vezes durante um sesshin, um monge não come muito e outros o observam, como o casulo da seda que pára de comer folhas e se torna transparente. A pessoa não se dá conta desse estado porque ela está presa nele, mas outros o observam.

Esse tipo de estado nos lembra uma história de Ananda. Quando o Buda morreu, quinhentos arhats, grandes seres despertos, se reuniram para fazer um congresso e Ananda não foi admitido porque ainda não era arhat. Ele tinha estado durante vinte anos próximo do Buda Gautama, memorizando todos os sutras e ainda não tinha obtido a iluminação. Ele sofria muito. Fazia muita meditação e não chegava a parte alguma. Então ele se abandonou e caiu de fadiga, mas antes que sua cabeça tocasse o solo, ganhou a iluminação. Esta é uma das versões, existe outra. Então ele se levantou e foi ao congresso e pediu para entrar. Disseram-lhe, “Se você quer entrar, entre pelo buraco da fechadura”. E o texto diz que ele abriu somente a porta e entrou. Com isso todos viram que ele havia ganho a iluminação.

Então, no conflito, no instante onde não podemos mais ir adiante, não se busca mais, abandona-se tudo, então isso vem. Isso é a graça. Especialmente quando não esperamos mais, mushotoku. Mas antes disto, há a dúvida, especialmente na escola Rinzai, a Grande Dúvida, Daishi, a Grande Morte. Em todas as vias místicas, o Cristianismo, o Sufismo, não somente no Budismo, há algo de parecido. A graça se dá quando não se espera mais nada, mas tal situação se prepara tanto fisicamente quanto emocionalmente.